Nesta sexta-feira, equipamentos do HRAN e HRT voltam a fazer exames. Em seguida, Sobradinho, Samambaia e Ceilâ

A partir desta sexta-feira (21), a Secretaria de Saúde começa a normalizar o funcionamento dos mamógrafos da rede. Seis dos 12 equipamentos voltarão a funcionar, graças a chegada de filmes para revelação dos exames e ao processo de digitalização.

 

“Hoje, apenas o equipamento do Centro Radiológico de Taguatinga está funcionando. A partir dessa sexta-feira, o mamógrafo do Hospital Regional da Asa Norte volta a atender, assim como o do Hospital Regional de Taguatinga. E na próxima semana, os hospitais regionais de Sobradinho, Samambaia e Ceilândia também voltam a fazer os exames”, anunciou a subsecretária de Administração Geral, Marúcia Miranda.

 

A Secretaria de Saúde realiza uma média de 12 mil mamografias por ano. Hoje, cerca de 8 mil pessoas aguardam na fila para fazer o exame. Segundo o secretário de Saúde, Humberto Fonseca, com o funcionamento destes seis equipamentos, a demanda reprimida poderá ser zerada em dois meses.

 

“Cada aparelho fará cerca de 30 exames por dia”, frisou Fonseca, destacando que a partir de então será possível desenvolver um programa regular voltado para mulheres a partir dos 50 anos de idade.

 

DIGITALIZAÇÃO – Depois de um pregão realizado no primeiro semestre deste ano, a Secretaria de Saúde iniciou o processo de digitalização dos exames de imagem na rede, ao instalar um sistema nos mamógrafos já existentes.

 

A primeira unidade a receber o equipamento foi o Hospital Regional de Taguatinga. Ainda este mês, serão instalados nos hospitais de Sobradinho e Samambaia e, por último, em Ceilândia. Até o final deste ano, a expectativa da Secretaria de Saúde é que todos os 12 mamógrafos da rede estejam funcionando com o sistema digitalizado.

 

Quando comparada à mamografia convencional, a digital permite uma visualização mais detalhada da mama, além de deixar o paciente exposto à radiação por menos tempo, já que os exames são mais precisos.

 

FUTURO – A segunda fase do processo de digitalização irá contemplar todos os exames de imagem da rede, o que inclui mamógrafos, Raio-X e ressonância magnética. Com o novo sistema, os resultados ficarão disponíveis para acesso em computador em qualquer unidade de saúde pública do DF.

 

A digitalização também dará mais agilidade ao processo. Enquanto se faz um exame convencional, é possível fazer cinco digitalizados.mamografia

ndia