Colaboração de GISELE BELL e KHATARINA GARCIA 

Polícia do DF inocenta subsecretário

Polícia do DF inocenta subsecretário

PERFIL BIOGRÁFICO: Subsecretário de Movimentos Sociais e Participação Popular da Casa Civil do Governo de Brasília, Acilino Ribeiro é advogado, tendo se formado na década de 1970 pela UDF, professor universitário com seis Pós Graduações e um dos principais líderes da esquerda brasileira. Membro da direção do PSB no DF, Secretário Nacional de Relações Internacionais e Políticas Estratégicas do MPS, um dos mais fortes segmentos sociais do Partido Socialista Brasileiro, é também considerado um dos melhores Quadros da própria Esquerda no país e do Governo Rollemberg. Além de ser um dos mais articulados líderes de massa do país é considerado hoje um dos ideólogos dessa esquerda que renasce no Brasil após anos de crise existencial e contradições. Ex-guerrilheiro e combativo líder revolucionário nos anos de chumbo contra a ditadura, atuou no movimento estudantil onde foi dirigente do PCB, Partido Comunista Brasileiro e do MR8 – Movimento Revolucionário 8 de Outubro. Também foi o principal dirigente político e Comandante Militar do minúsculo mas radical grupo guerrilheiro MCR – Movimento dos Comitês Revolucionários, de tendência khadafysta nas décadas de 1970 e 1980, tendo se tornado o lendário Comandante Mercúrio, da Operação Galáxia, criada por Khadafy para enfrentar a Operação Condor.

Com a redemocratização no Brasil e a queda das ditaduras na América Latina saiu da luta armada e foi para a luta de massa onde atuou no movimento sindical e comunitário como advogado de sindicatos e associações de trabalhadores, camponeses e movimentos sociais.Adaptou-se a nova realidade e passou a atuar na luta institucional tendo sido Vereador de Teresina, no Piauí, por dez anos, Secretário de Interior e Ação Comunitária da Prefeitura de Teresa, Secretário de Reforma Agrária do Governo Mão Santa e Superintendente do INCRA no Piauí, onde foi considerado o melhor gestor do órgão no Brasil.

Um dos mais requisitados nomes da academia para fazer palestra, conferencias e debates nas universidades brasileiras é especialista em Geopolítica, Estudos Estratégicos, Segurança Internacional, Defesa Nacional, Inteligência e Contra Inteligência e principalmente em Direitos Humanos, Movimentos Sociais e Participação Popular que são os temas que mais gosta de debater.

Esse Acilino revolucionário, guerrilheiro, considerados um dos mais radicais líderes da velha esquerda é hoje um dos mais moderados líderes da Nova Esquerda que ele próprio quer reconstruir, ou refundar como afirma. Nesta entrevista fala da Escola de Frankfurt, da Esquerda Cristã, da Revolução Cidadã e explica principalmente o que chama e defende como Esquerda Arco Iris.

 

A Nova Esquerda e os Revolucionários Cristãos

O senhor em recente entrevista a um jornal aqui de Brasília falou sobre sua trajetória, em outras entrevistas fala da Esquerda Cristã, que é um Revolucionário Cristão; fala de uma Nova Esquerda, da Revolução Cidadã. O que é isso?Revolucionário cristão é realmente aquilo que venho dizendo em minhas palestras, conferencias e entrevistas; É um homem novo que faz política de forma diferente do tradicional.  Existem dois tipos de políticos; O tradicional e o revolucionário. O tradicional tem interesses, o revolucionário tem uma causa. O tradicional quer fazer carreira política, o revolucionário quer fazer trabalho político. O tradicional tem preço, o revolucionário tem valor. O tradicional é conservador, o revolucionário é progressista. E o político que se caracteriza pela defesa dos princípios revolucionários do cristianismo é um político revolucionário. Então eu fundamento os princípios do revolucionário cristão baseado no seguinte: Nada impede que Cristãos e Marxistas, juntos, lutem pela Revolução e construam o Socialismo, que em síntese, é o Reino de Justiça e Igualdade que Cristo sonhou. A diferença é que os cristãos querem este mundo no céu, após a morte. Os marxistas querem este mundo na terra, em vida.  Como dizia o Che e outros marxistas. Então, cristãos e marxistas, querem a mesma coisa, num mundo de Igualdade, Fraternidade e Liberdade, palavras de ordem da Revolução Francesa, onde todos tenham Pão, Paz e Terra, palavras de ordem da Revolução Russa, lembra? Então vamos lutar para termos este reino no céu e na terra. Somos Marxista-Cristãos rumo à revolução e ao socialismo. Juntos, carregando a cruz que simboliza o sofrimento pelo qual estamos predestinados, com a foice, abrindo os caminhos que teremos de percorrer para fazer triunfar a Revolução, e o martelo, com o qual construiremos o Socialismo, e um Novo Mundo se abrirá numa terra de abundância e num céu de esperança. Ambos, Cristãos e Marxistas, pensam iguais e fraternalmente para realizar os sonhos em que se fundamenta o cristianismo e a utopia em que se baseia o marxismo. E assim, argumentos não nos faltam para mostrar que cristão e marxistas lutam pelo mesmo ideal de justiça e liberdade.

Dizem que os comunistas são ateus, e consequentemente os revolucionários também seriam. Os revolucionários acreditam em que? Os teólogos e filósofos das igrejas cristãs, dizem que para ser cristão e humanista, basta o homem acreditar em alguma coisa, pois nós revolucionários, acreditamos na revolução. Na revolução socialista, acreditamos que o homem tem que dividir o pão e viver em comunidade, consequentemente em comunhão. Assim é o Sermão da Montanha: “Daí de comer a quem tem fome e água a quem tem sede”. Por isso os cristãos foram os primeiros a serem jogados nas arenas dos césares. E nós revolucionários os primeiros a sermos jogados nos porões das ditaduras. Acreditamos em muitas coisas. Não somos ateus. Somos crentes. Acreditamos na humanidade. Acreditamos no Cristo; o Divino Revolucionário. Abençoado Guerrilheiro da Paz. Na Utopia e na Revolução. Acreditamos que a palavra Comunismo vem da palavra Comunhão, viver em comunidade e dividir o pão. Acreditamos em algo ainda maior que é o Sermão da Montanha, o qual foi o primeiro Manifesto Socialista e Revolucionário da História. Que a utopia revolucionaria do socialismo humanista de Cristo, propagado aos quatro cantos do mundo, depois da sua morte, por seus apóstolos Matheus, Lucas, Marcos e João se coaduna, historicamente com a utopia revolucionária do socialismo cientifico de Marx e Engels e seus discípulos, Lênin, Mao, Fidel, Che e vários outros que colocaram em prática o Manifesto Comunista de 1848. Todo revolucionário deve ser um subversivo. Ou seja, lutar para subverter a ordem estabelecida que leva a humanidade a miséria. Temos que ser subversivo contra a fome e a violência. Contra as mazelas do capitalismo que faz as guerras e leva a humanidade a morte.

 Cristo teria sido um revolucionário então?Não só um revolucionário como realmente o foi. Cristo foi um maravilhoso e abençoado subversivo porque subverteu a ordem do Império Romano, quando suas palavras atingiram em cheio a autoridade dos Césares, em especial quando questionava sua divindade ao afirmar: “A César o que é de César, e a Deus o que é de Deus”, ou seja, a César somente os impostos, cobrados através de seu poder temporal, mas a Fé, somente a Deus. Pois os césares reivindicavam também a divindade. Em sua pregação revolucionária, Cristo foi também chamado de agitador por pregar o Sermão da Montanha, que em si era um manifesto de revolta, contra a fome, a miséria e a violência que imperava no mundo, mas principalmente uma rebelião contra o imperialismo romano que dominava o mundo de então, como os EUA querem dominar hoje. Por reunir multidões, e cada vez mais, se tornar um líder popular e revolucionário, pelos métodos usados, e, portanto, não só religiosos, mas políticos principalmente, perseguido pelas legiões romanas e os sacerdotes judeus e assim usou a tática de guerrilha, quando teve que pregar e fazer o Sermão nas catacumbas e cavernas do deserto. Por isso também, foi taxado de guerrilheiro. Este mesmo Cristo, não se incomodou quando lhe acusaram de ser um revolucionário, apenas usou da única arma que dispunha naquele momento, o chicote, para expulsar de seu templo, os mercadores que o profanavam, como hoje o fazem os capitalistas ao profanarem as instituições existentes, e os revolucionários, internacionalistas lutam para os expulsarem dos palácios que legalizam suas ações. E assim, Cristo foi considerado revolucionário internacionalista, socialista e comunista, porque sempre amou o próximo, sempre pregou a solidariedade e a divisão dos bens, por isso os revolucionários e socialistas, sempre afirmam que querem dividir riqueza, e não misérias. Por essa luta histórica, os cristãos sempre foram perseguidos, presos e torturados, como nós revolucionários e internacionalistas somos sempre os primeiros a serem perseguidos, presos e torturados.

Como assim?Basta haver qualquer movimento de revolta, sempre dizem: São os comunistas, socialistas, revolucionários, internacionalistas, anarquistas, vândalos, etc. E somos os primeiros a ser jogados nas prisões capitalistas.

Dizem que os revolucionários são ateus?Como? Se somos aqueles que mais acreditamos em alguma coisa? No que não se vê, não se toca e nem existe?  Como? Se a utopia é nosso maior sonho e a luta nosso eterno caminho? Deus é testemunha do quanto nós revolucionários internacionalistas, comunistas, socialistas e anarquistas desejamos um mundo justo, onde o pecador não seja castigado, mas reeducado, pois um revolucionário não deseja a morte do pecador, mas a destruição do pecado. Nós revolucionários, como o Cristo, somos implacáveis na luta, porém misericordiosos na vitória. E como Ele, a um revolucionário não interessa ser importante, apenas ser útil, por isso não nos interessa ser Presidente ou Deputado. Cristo não teve mandato político nem formação acadêmica, no entanto o povo o proclamou Doutor e o fez Rei, o mais sábio dos doutores e o mais humilde dos reis.

Historicamente a igreja diz que ele foi santo. Não um Revolucionário. Como provar isso? Não se precisa propagar ou provar nada, Cristo foi o maior dos subversivos e o melhor dos revolucionários da história. Subversivo, porque subverteu a ordem injusta e malévola existente, implantada pelos poderosos que matavam o povo, e é obrigação de todo humanista, revolucionário internacionalista ser, ou seja, todo homem de formação solidária se revolta contra a fome, a miséria, a violência e o desemprego. Cristo se rebelou contra isso, revoltou-se contra o Governo Romano que implantava a política capitalista, da exploração do homem sobre homem, quando disse: “Bem aventurados aqueles que têm sede e fome de justiça”. (Matheus V, 3) Cristo foi também o maior dos revolucionários, pois sua doutrina até hoje revoluciona o mundo. Suas palavras continuam tendo eco por todo universo, e dentre os profetas de Deus é o que mais questionamentos levantou e maiores ensinamentos fez. Tal como Ele, outros profetas abalaram o mundo com suas ideias de justiça e solidariedade humana, assim o foram Abraão, Maomé, Buda e outros.  As simbologias Cristãs e Marxistas, ambas revolucionárias e socialistas se coadunam, na foice e no martelo, usados por Maria e José, pais de Jesus.

Como assim, explique melhor.O que mais simboliza o comunismo é a foice e o martelo, o campo e a cidade, o camponês e o operário. E quem eram Maria e José?  Ele um operário que usava o martelo, Ela, uma camponesa que usava a foice. Ambos eram movidos pela Fé. Essa era sua ideologia. E qual a ideologia que move os comunistas, socialistas e anarquistas a acreditarem na revolução? A Fé. A Fé Revolucionária, de que um dia a revolução triunfará e será eterna. E o que simboliza a Fé? A Cruz. A Santa Cruz de Cristo. Esta também de sangue e sofrimento, pois foi na Cruz que seu sangue correu, e lá, onde Ele sofreu. Por isso somos sempre nós, os revolucionários, internacionalistas, comunistas, socialistas e anarquistas libertários os primeiros a derramarem o sangue pela Revolução, quando mortos, e os primeiros a suportarem o sofrimento da tortura, quando presos. Portanto, enquanto a Santa Cruz simboliza o sangue e o sofrimento de Cristo e sua Fé na justiça e na liberdade, a foice e o martelo usados por Maria e José, simbolizavam o Partido e a Revolução. E toda revolução tem que ter um partido ou um movimento revolucionário para dirigi-la. Com a Cruz, a Foice e o Martelo simbolizando, concretamente, a Fé Revolucionária dos cristãos e dos marxistas, que lutam pela libertação, e com Cristo como ideólogo, a revolução tem um norte.

Mas Cristo não tinha partido político. Formal e institucionalmente não, mas seu movimento era uma organização político, assim ele tinha um partido. Ele tomou o partido dos pobres e necessitados. Ele ficou ao lado dos oprimidos. Tanto que ele não foi um prisioneiro comum, ele foi um preso político. Ele não morreu atropelado por um jumento nas ruas de Jerusalém, como dizia o Frei Beto, ele morreu crucificado por uma lei política religiosa do Império Romano e do Sinédrio Judaico. Antes, porém, vejamos curiosamente qual era o partido de Cristo. Ele era do Partido Internacionalista, do “Amai-vos uns aos outros” sem distinção de raça, sexo ou cor, região ou país. E provou isso ao responder à Samaritana que lhe negou um copo d’água. “Dá-me de beber” e ela perguntou-lhe: “Como podes tu, sendo palestino, pedir-me de beber que sou Samaritana? ”, Cristo disse-lhe: “Não há raças, há almas”.  Ele era também do partido da Paz Universal, que condena todo imperialismo armamentista e o terrorismo mundial, seja o terrorismo político, religioso, de estado e midiático, que mata moralmente também, pois na época já existiam os comunicados oficiais dos governos. Isso Ele fazia ao pregar o que está no quinto mandamento: “Não mataras”.  Cristo era do Partido dos Perseguidos, pois Ele disse “Bem aventurados aqueles que sofrem perseguições por amor à justiça” (Matheus V5). Seu partido era o da Solidariedade Humana, que tinha como palavra de ordem “quando deres uma ceia convida os pobres, aleijados, os coxos e os cegos. Serás feliz porque eles não tem como retribuir, mas sentir-se-á retribuído na ressurreição dos justos” (Lucas, 13-14). Seu partido era o Partido dos Direitos Humanos, quando disse “Embainha tua espada, porque todos aqueles que usarem da espada, pela espada morrerão” (Matheus, 26, 52).  Ele era do Partido dos inocentes, dos ingênuos e puros, e mostrou isso quando declarou: “Deixai vir a mim as criancinhas, pois dela é o reino dos Céus” (Matheus, 19, 13, 15).   Ele era do Partido da Reforma Agrária, quando foi taxativo e disse: “Eu vou trazer, de novo, o meu povo para a terra que é dele. Vão, de novo, construir suas cidades e vão plantar suas lavouras e aproveitar o que plantam. Vou plantar vocês na terra e nunca mais vocês vão ser arrancados dela, porque a terra, eu dei a vocês”. E assim era esse Divino Revolucionário. Abençoado Guerrilheiro da Paz. Essas são algumas das teses básicas que defendo para dizer que a Nova Esquerda é fundamentalmente revolucionária, cristã e humanista e baseia seus princípios nos ensinamentos filosóficos do cristianismo revolucionário. É o que vocês estão chamando de Esquerda Cristã. Ou pode ser revolucionários cristãos também. Mas assim, para mim também pensou Abrão e Maomé, pois são homens de Deus que pregaram estes mesmos princípios. Profetas do Bem.

O senhor falou em Maomé, mas o Estado Islâmico que é mulçumano pratica o terrorismo;Primeiro que isso que chamam de Estado Islâmico não é Islâmico nem é Estado. É uma empresa criada pelo imperialismo e pelo sionismo para criar um estado permanente de tensão no mundo, mas principalmente no Oriente Médio. Se você conhecer os princípios do islamismo você vai ver que são princípios do bem, da paz e da solidariedade. Aquilo é uma bem articulada campanha para demonizar o islã e criminalizar a luta do povo palestino e árabe contra o terrorismo de Israel e dos EUA. Estes dois sim, são terroristas, pois eles é que criaram e financiam o “Estado Islâmico”. Aqueles “soldados” do EI são de empresas estadunidense e israelenses, contratados para criar essa tensão na região. São o braço armado do terrorismo da CIA e do MOSSAD; Só por curiosidade veja a cor do uniforme dos prisioneiros de Guantánamo, mantida pelo governo terrorista dos EUA e veja a cor dos prisioneiros mantidos pelo Estado Islâmico também mantido pelos governos terrorista dos EUA e de Israel. São da mesma cor. Vem da mesma fábrica e do mesmo fornecedor, fora inúmeras outras coincidências que eles esqueceram de disfarçar.

Que extraordinária aula de Teologia Política. Então essas são as bases filosóficas da Nova Esquerda ou Esquerda Cristã que deve nortear a ação dos revolucionários cristãos?Em tese sim, mas isso não quer dizer que seja eu que estou orientando nada. Isso é apenas algumas ideais. Veja por exemplo, comparando aquela época com a de hoje: Por volta do ano de 63 a.C., Judá vivia em guerra civil feroz, e os judeus da Palestina, dividiam-se em três partidos. Os FARISEUS, que defendiam radicalmente suas convicções religiosas, os SADUCEUS, que era o partido dos Sacerdotes, e os ESSÊNIOS, adeptos da abstenção integral. Cristo era Essênio. Nesta época, Roma não o controlava totalmente, mas mantinha Judá como uma região associada, pois contava, apesar da divisão dos judeus com a colaboração dos mesmos. Porém, por volta do ano VI da era Cristã, após a morte de Herodes, Judá passa a integrar o Império Romano, como uma província. A juventude Zelote, uma seita religiosa formada por filhos de camponeses que viviam na cidade se revoltou e lança um manifesto mostrando que lutarão pela mudança política. Sua palavra de ordem é: “preferimos o fim do horror, ao horror sem fim“. Eram os primeiros guerrilheiros políticos da era Cristã. Jesus Cristo, condenado a morte pelo Sinédrio Judaico e executado pelo Império Romano, teve sua sentença pronunciada pelo sumo sacerdote judaico.  O Sinédrio, temendo uma intervenção Romana contra as autoridades judaicas, face ao apoio popular que Cristo tinha, o denuncia como rebelde político. Pilatos condena-o à morte como revolucionário zelote, determinando a inscrição na cruz (Jesus de Nazaré – Rei dos Judeus), o que prova que Cristo, como disse acima, não foi um preso comum, mas um prisioneiro político, como são todos os revolucionários, internacionalistas, comunistas, socialistas e anarquistas que lutam contra o imperialismo e o sionismo. Os objetivos e os métodos do imperialismo romano na antiguidade, e do sionismo não diferem, em nada, do imperialismo estadunidense e do sionismo de Israel atualmente.

 

Como assim. Os tempos são outros.Sim, mas os interesses do imperialismo são os mesmos. Se Cristo viesse ao mundo hoje, o império norte-americano o mataria. E presidentes como George Bush e o próprio Obama não seriam os novos Pilatos, mas seus próprios assassinos. Não lavariam as mãos. Ordenavam sua morte. Cristo, portanto, tinha um Partido que pregava a Revolução, e lutou para instalar o socialismo, o comunismo e o anarquismo, que em síntese é o Reino de Deus, e por conseguinte o Reino da Liberdade, Igualdade e Fraternidade, palavras de ordem da Revolução Francesa de 1789, e que também visava distribuir a todos, Pão, Terra e Paz, que foram a palavra de ordem da Revolução Russa de 1917, e do que mais fala a Bíblia, se entendermos esta como Carta Programa.

Comparando isso ao mundo atual o que o senhor diria?A burguesia, o latifúndio e o capital especulativo controlam os meios de comunicação, a igreja e as escolas transformam quase tudo em aparelho ideológico a serviço do capital e da reação, e usam de tudo para denegrir a imagem da Revolução e destruir a reputação dos revolucionários. Desde 1922, quando foi fundado o Partido Comunista Brasileiro somos perseguidos, presos, torturados e sobre nós lançam campanhas de calunia, injuria e difamação. Sobre nós revolucionários, internacionalistas, socialistas, comunistas e anarquistas pesam as mesmas acusações que há dois mil anos atrás fizeram contra Cristo. Basta lembrar a história de alguns de nossos líderes como Prestes, Marighela, Lamarca, Osvaldão e tantos outros, que foram chamados de agitadores, guerrilheiros, subversivos, revolucionários, etc. Sobre o Partido Comunista Brasileiro, o velho partidão, o glorioso PCB, pesam, vejam só, inúmeras acusações, tais como, a Defesa das Liberdades Democráticas, a Anistia Ampla Geral e Irrestrita, a Convocação de uma Assembleia Nacional Constituinte , a Diretas Já, o Impeachment de Collor, a Redemocratização de 45, a Luta do Petróleo é Nosso e tantas outras lutas. Tudo, num tempo em que, defender isso era subversão e dava cadeia. Numa época em que a morte era o preço de coragem.  Cristo foi julgado, condenado e assassinado, conforme sentença assinada por Pôncios Pilatos, e pelo calendário romano da época, no dia 25 de março. Essa data é histórica para o PCB, pois a 25 de março 1922 é a data da fundação do Partido Comunista Brasileiro – PCB. Coincidência ou não, herdamos 2000 anos depois, seus ideais e o dever de continuar lutando.  Eu fui militante e dirigente do PCB por mais de vinte anos. E sempre dizia isso. Assassinaram Jesus, mas não mataram seus ideais. Uma ideia não se mata. O tempo passa e os ideais continuam.  Portanto, a luta continua, pois somos herdeiros do velho partidão, e muitos que hoje estão comigo no PSB, Partido Socialista Brasileiro, vieram do PCB. Portanto que os capitalistas nos acusem. Do que quiserem, como acusaram ao Cristo dois mil anos atrás. De subversivos, agitador, revolucionário, guerrilheiro, do que quiser. O povo nos absorverá.  E como revolucionário eu digo apenas o seguinte: Eles sabem o que dizem, mas pai: “Perdoai-os, porque não sabem o que fazem”(Lucas 23-24).  Ter essas características é ser um revolucionário cristão. E pertencer a Esquerda Cristã. Que pode estar dentro de diversos partidos. Não necessariamente em um só. É assim também que se constitui a Nova Esquerda, que aí já tem outro aspecto. Esse aqui é filosófico. O outro é ideológico. Mas repito uma coisa, e agora de forma inversa. Seremos misericordiosos na vitória, sim: Mas, se formos implacáveis na luta.

Como assim, explique melhor então sobre a Nova Esquerda. Esse grupo que o senhor está criando. Veja bem.Não vamos ressuscitar a Escola de Frankfurt porque ela não morreu. Vamos reativa-la massivamente, pois a cada momento ela renasce. E reanima-la politicamente, pois nossos grandes filósofos estão apenas com uma idade avançada, mas continuam lúcidos e nos deram um grande e extraordinário legado. Essa foi a maior escola de filosofia política do mundo contemporâneo.  A Nova Esquerda e a Revolução Cidadã estão interligadas. Uma é objeto outra é sujeito. Uma a Organização, outra o Projeto. A Ideologia é a mesma: a junção da doutrina cristã, dos princípios marxistas, da estratégia leninista e da tática guevarista; adaptadas a nova realidade geopolítica do mundo contemporâneo. Para entendermos melhor essa ideia e ver que não é nada difícil, até porque não estou criando nada, apenas tentando reativar algo que já foi tentando antes, fundamentamos tudo em ideais de grandes líderes. Por exemplo: Meus ídolos ainda são os mesmos.

Quem? Quais?Ideólogos? Marx, Engels, Lenin, Mao, Fidel, Che, Khadafy, Ghandy, Mandela, Chávez. Meus filósofos também.  Rousseau, Spinoza, Adorno, Marcuse, Sartre, Camilo Torres, Alexandra Kollontai, Rosa Luxemburgo, Martha Henerker, e grandes pensadores da atualidade, como Noam Chomsky, Edgar Morim, Habermas, além de Slavoj Zizek, David Harvey, Vladimir Safatle, Frei Beto, Leonardo Boff, Boaventura de Sousa Santos, Emir Sader; e tantos outros. Pensar a Nova Esquerda é ver o dinamismo do pensamento teórico de pensadores como eles e acompanhar debatendo a realidade e as demandas do mundo. Ser teórico, mas se misturar aqueles que vivem as dificuldades, tentar resolver as demandas e construir saídas para suas causas e não apenas combater seus efeitos. Ser um militante orgânico se possível, senão ser um militante disciplinado em defesa de causas.  Como o foram, Mohamed Ali (Cassius Clay). Lennon, e são alguns pops stars atualmente. Estes e estas são nossas referencias.

È um novo partido?Não, de forma nenhuma. Pelo contrário. É uma construção política, social, popular e suprapartidária. Congregando gente dos mais diversos segmentos sociais, movimentos populares e partidos políticos. Veja bem, dos mais diversos partidos e matizes políticas, mas com uma única raiz ideológica. De esquerda, socialista, e revolucionária. Libertária. Com Princípios e Estratégias; Essa Nova Esquerda norteará sua ação pelos Padrões Morais e Princípios Éticos do Socialismo Libertário, do Humanismo Revolucionário e do Internacionalismo Solidário; tendo como propostas de lutaa defesa dos Direitos Humanos, do Meio Ambiente e da Paz Mundial; o Desenvolvimento Econômico, Social e Sustentável; a Radicalidade Democrática e Participativa; a Defesa Nacional e a Segurança Internacional; A Democracia Global e a Autodeterminação dos Povos; Uma Política de Gêneros Ampla e Democrática no respeito a Diversidade Cultural e Religiosa; e  Políticas Públicas Participativas; a construção do Poder Popular e a implantação da Democracia Direta. Essa Nova Esquerda terá como forma de organização;Núcleos de Estudo e Trabalho e será coordenado por um Coletivo Social e Pluripartidário; terá sempre suas discussões resolvidas de forma consensual. Tal como o Fórum Social Mundial. Sua composição será livre e voluntária e seus membros terão direitos e deveres iguais, nos debates e nas instancias de deliberação. Não existirá nenhuma Direção verticalizada, mas um Coletivo horizontalizado com regras básicas de atuação;e as ações da Nova Esquerda se darão através de Reuniões, Encontros, Plenárias, Conferencias e Congressos, quando se tratar de Política de Organização; através de Mesas de Conversas, Aulas e Palestras, Ciclos de Debates; Mostras de Cinema, Cursos de Formação; Seminários e Fóruns, quando se tratar de Política de Formação;  através de Fóruns Sociais, Plenárias Populares e Articulações Partidárias quando se tratar de Política de Mobilização; Por Avisos, Comunicados e através de Redes, quando se tratar de Política de Comunicação; Através de ações solidárias, festas suprapartidárias, inter setoriais e populares quando se tratar de Política de Logística; Outras políticas necessárias e que eventualmente surjam serão objeto de deliberação do Coletivo. Já os fundamentos teóricos da Nova Esquerda encontram-se baseados em três tipos de ideias. A – Nos Princípios Ideológicos, Doutrinas Políticas e Programas Partidários dos grandes filósofos, líderes políticos e estrategistas revolucionários, humanistas e progressistas da humanidade e dos partidos políticos progressistas da história dos povos; B – Nas grandes escolas filosóficas e políticas da humanidade, tendo como referência a Escola de Frankfurt e seus teóricos e doutrinadores; C – Os textos produzidos e\ou reproduzidos pelo Coletivo da NOVA ESQUERDA após leitura e deliberação de seus membros. Claro que isso ainda estar na cabeça, estamos passando para o papel e logo espero estarmos no meio da massa. No início pode ser uma Escola de Quadros, mas espero em breve transformar isso numa Escola de Massa. A UNIPOP – Universidade de Políticas do Movimento Popular foi o embrião dessa ideia. Foi lá que tudo nasceu. Quando eu era o Diretor. Vamos ampliar as discussões e trabalhar para construir uma grande escola de política. Mas isso necessariamente não precisa esperar que eu ou alguém que estar comigo nesse projeto convoque, faça ou dirija qualquer reunião. Qualquer um deve fazê-lo. Esse é o espirito do que chamo esquerda colorida. A esquerda de várias cores. No respeito a diversidade política. Entenda bem. Diversidade política, não ideológica. Tudo dentro da esquerda.

Como assim? Não entendemos? É o que chamoEsquerda Arco Iris. Das sete cores. Ou seja; o Arco Iris tem sete cores e a esquerda, na sua diversidade também deve ter. Uma esquerda que deve ter a democracia como valor universal e não valor de classe como era entendido antigamente. Uma esquerda com teses, princípios e doutrinas, mas sem dogmas. O marxismo é dinâmico, não é estático. No que pese entendermos o mesmo como uma ciência. E assim eu o entendendo.Uma esquerda com as cores do arco iris, vermelha, laranja, amarelo, verde, azul, anil e violeta. Senão vejamos: a esquerda Vermelha, marxista, histórica; Verde, ecologica e ambiental; os ecosocialistas. Azul, humanista e moviimento que lçutam pela paz; Violeta: A esquerda de gênero. Movimentos feminista, LGBTs. De políticas afirmativas; Anil: a esquerda libertária, de conotação anarcosocial; e a esquerda Laranja, social democrata, democrata cristã, progressistas e liberais que respeitem a diversidade e sejam contra a Direita em todos os seus aspectos. Quero uma esquerda multicor, socialista em seu carater,  revolucionária em sua essencia e ética em seu conteúdo. Que pregue a Revolução Cidadã e construa um projeto de poder objetivando a construção do Poder Popular e implantação da Democracia Direta.

E a Revolução Cidadã?É uma nova concepção de Estado e de Poder. Tem como objetivo, como eu disse antes, a construção do Poder Popular e a implantação da Democracia Direta. O projeto de poder da Democracia Clássica de Platão serviu como base para o mundo antigo. O de Democracia Representativa, após a construção dos estados nacionais e na Idade Média e Moderna para avançar e evoluir na construção desse projeto. Posteriormente ai teve duas vertentes que se consolidaram na Época Contemporânea. A das democracias orientais que se configuraram pelas Democracias Populares nos países socialistas e as democracias burguesas no ocidente e países capitalistas. Estamos vivendo agora a etapa das Democracias Participativas. Estas ainda são tuteladas pelo Estado. Temos que buscar construir a Democracia Direta. E isso só será possível com muito trabalho político. Não é com carreira política, é trabalho político. E a construção do Poder Popular é um meio. O objetivo é democratizar a democracia, pois esta que estar aí não é democracia. Você veja o exemplo maior, que é a maior e pior ditadura do mundo, que é a dos EUA, onde o Presidente pode prender, torturar e matar qualquer cidadão, é passada ao mundo como uma democracia. Como pode num país onde o racismo e o preconceito, a exploração do homem pelo homem é permitida e a existência de legislação como a Lei Patriótica pode ser considerado uma democracia. É um absurdo. Mas existem meios de comunicação que recebem dinheiro para manipular a opinião pública e divulgar que lá é uma democracia. Mas tudo lá é uma grande mentira. Edward Snowden já provou isso.

“Não vamos ressuscitar a Escola de Frankfurt porque ela não morreu. Vamos reativa-la massivamente. E reanima-la politicamente. Essa foi a maior escola de filosofia política do mundo contemporâneo”

” A Nova Esquerda e a Revolução Cidadã estão interligadas. Uma é o objeto outra é sujeito. Uma a Organização, outra o Projeto. A Ideologia é a mesma: a junção da doutrina cristã, dos princípios marxistas, da estratégia leninista e da tática guevarista; adaptadas a nova realidade geopolítica do mundo contemporâneo”.

“Quero uma esquerda multicor, colorida e arco iris: socialista em seu carater,  revolucionária em sua essencia e ética em seu conteúdo. Que pregue a Revolução Cidadã e construa um projeto de poder objetivando a construção do Poder Popular e implantação da Democracia Direta