Prospera ainda tem R$ 3,9 milhões para serem liberados em 2017

Pedidos devem ser feitos até 10 de novembro. O designer de moda Ivson Samabourque abriu um ateliê com recursos do programa de microcrédito

Com a meta de investir R$ 11 milhões em 2017, o Prospera, programa de microcrédito produtivo do governo de Brasília, ainda pode liberar neste ano R$ 3,9 milhões para investimento nas áreas urbana e rural.
O designer de moda Ivson Samabourque, de 28 anos, utilizou créditos do Prospera por duas vezes. Com a primeira carta de crédito comprou equipamentos, e com a segunda fez investimentos em marketing, na criação de um site, em viagens de pesquisa para a próxima coleção e em compra de matéria-prima.

De acordo com levantamento da Secretaria Adjunta do Trabalho, da pasta do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, os R$ 7 milhões já entregues em 2017 estão distribuídos em 625 contratos. Os pedidos para 2017 devem ser feitos até 10 de novembro.

Das operações contratadas, a maior parte está concentrada na agricultura, com um montante de R$ 2,7 milhões, que representa 161 contratos. Em seguida está o comércio, com 279 operações e R$ 2,6 milhões. O setor de serviços aparece na terceira colocação, com R$ 976 mil para 108 contratos.

Indústria, pecuária e artesanato ocupam as últimas colocações e somam mais de R$ 706 mil em cartas de crédito efetivadas.

O montante de R$ 7 milhões liberados neste ano permitiu, segundo a secretaria, que 1.202 empregos fossem mantidos e outros 150, criados.

“Os juros são baixíssimos, e isso é muito atraente. Até então, eu tinha pesquisado em bancos, mas os juros são muito altos e não valiam a pena”Ivson Samabourque, designer de moda

Entre as 625 efetivações em 2017 está a segunda carta de crédito do designer de moda Ivson Samabourque, de 28 anos. A primeira, obtida há cerca de dois anos, serviu para a compra de três máquinas de costura, uma mesa de corte e um ferro de passar industrial — o que permitiu que Ivson abrisse o próprio ateliê.

Já a segunda carta de crédito, recebida no primeiro semestre deste ano, é voltada para investimentos em marketing, na criação de um site, em viagens de pesquisa para a próxima coleção e em compra de matéria-prima.

“Os juros são baixíssimos, e isso é muito atraente. Até então, eu tinha pesquisado em bancos, mas os juros são muito altos e não valiam a pena”, disse Ivson, que descobriu o Prospera por meio do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

No campo, as taxas de juros são de 2% ao ano para custeio e de 3% para investimento. Na cidade, o índice é de 0,75% ao mês para capital de giro e 0,70% para investimento.