Entrega do Trecho 1 do Sol Nascente está prevista para julho de 2017

A estiagem dos últimos meses ajudou a acelerar o ritmo das obras no Sol Nascente, em Ceilândia. A previsão da Secretaria de Infraestrutura e Serviços Públicos é que esteja tudo finalizado em julho de 2017, próximo período de seca na capital.

Obras de pavimentação avançaram por conta do período sem chuvas e em menos de um ano a primeira parte da infraestrutura deve estar pronta. Nesta sexta-feira (2), o governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, acompanhou as intervenções
Obras de pavimentação avançaram por conta do período sem chuvas, e, em menos de um ano, a primeira parte da infraestrutura deve estar pronta. Nesta sexta-feira (2), o governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, visitou as obras. Foto: Tony Winston/Agência Brasília

Nesta sexta-feira (2), o governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, acompanhou as intervenções. “Tivemos a oportunidade de reunir unidades do governo para monitorar as obras e constatamos que avançamos bastante na pavimentação, e, até meados do ano que vem, o Trecho 1 terá rede de esgoto e de galerias pluviais, além de pavimentação”, disse. “No Trecho 2, teremos que retirar duas chácaras para construir duas bacias de drenagem e encaminhar projetos para o Ibram para construir casas para 4 mil moradores [nas quadras 105 e 209]. No Trecho 3, devemos levantar as pendências para tirar o licenciamento ambiental”, afirmou o governador Rollemberg durante a visita.

As obras de urbanização no Setor Sol Nascente incluem serviços de drenagem e de pavimentação e beneficiarão mais de 100 mil pessoas. Ao todo, serão investidos cerca de R$ 188 milhões, recursos da Caixa Econômica Federal (95%) com contrapartida do governo de Brasília (5%). As benfeitorias fazem parte do plano de obras do governo, divulgado no segundo semestre do ano passado. O assunto é tratado no Instituto Brasília Ambiental (Ibram).

Balanço de como estão as obras

Dividido em três trechos, o Sol Nascente passa por serviços de drenagem e pavimentação desde fevereiro de 2015. No Trecho 1, o primeiro a ser entregue, o investimento é de R$ 41,5 milhões. São seis bacias de drenagem, das quais três estão com 60% da obra executada e uma, 90%. Vinte e cinco quilômetros e duzentos metros de rede de drenagem – com cinco lagoas de retenção – e 304,9 mil metros quadrados de pavimentação (ou 44 quilômetros de vias) completam o projeto.

O Trecho 2 custará R$ 79,7 milhões. Os serviços de drenagem estão em andamento, e já foram executados 8% do total da demanda. A pavimentação só poderá ser executada após a implantação da rede de esgoto sanitário. A previsão é que sejam feitos 30,3 quilômetros de redes de drenagem, com três lagoas de retenção e 493,5 mil metros quadrados de pavimentação – cerca de 70 quilômetros de vias.

Já o Trecho 3 tem custo previsto de R$ 66,3 milhões. O valor equivale a três bacias de drenagem, 21,3 quilômetros de rede de drenagem, com três lagoas de retenção, e 450,5 mil metros quadrados de pavimentação. Para começar as obras, porém, é preciso licenciamento ambiental.

Compareceram nesta manhã o secretário de Infraestrutura e Serviços Públicos, Antonio Coimbra, e seu adjunto, Maurício Canovas; os presidentes da Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb), Maurício Luduvice, e do Instituto Brasília Ambiental (Ibram), Jane Vilas Bôas; os diretores-presidentes da Companhia de Desenvolvimento Habitacional do Distrito Federal (Codhab), Gilson Paranhos, da Companhia Energética de Brasília (CEB), Ari Joaquim da Silva, e daCompanhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap), Júlio Menegotto; o secretário adjunto da Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural, Marco Lopes; o administrador regional de Ceilândia, Vilson José de Oliveira; a deputada distrital Luzia de Paula (PSB), entre outras autoridades

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *